saude-inovadora-2024-rede-inovacao-esg-ia-ecossistema-hub-startup-cns-simers-hospital-cfm-conselho-federal-medicina-4
EINSTEIN
saude-inovadora-2024-rede-inovacao-esg-ia-ecossistema-hub-startup-aldo-rosa-cns-cremesp-congresso-medicina-sao-paulo-sp
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon

Inteligência Artificial e Telemedicina no SUS

Inteligência Artificial e Telemedicina no SUS

Inteligência Artificial e Telemedicina no SUS

por Tiziano Peres

Imagine que você, ou alguém próximo, precisa ir a uma UPA para um atendimento rápido. Ao chegar lá, você encontra não só um profissional de saúde, mas também um totem — sim, parecido com aqueles que vemos em shoppings para pagar o estacionamento. Neste cenário, enquanto o profissional de saúde faz perguntas para entender seu problema, você descreve suas dores: onde dói, quão forte é a dor e com que frequência ela aparece. Afinal, você está lá porque precisa de ajuda médica, e não para um simples bate-papo.

Depois de poucos minutos, em vez de sentar na sala de espera, você já sai com uma receita em mãos para comprar o medicamento necessário. Logo, esse tipo de atendimento será uma realidade, impulsionado por avanços em inteligência artificial. O totem, equipado com acesso a um extenso banco de dados médicos globais, analisa os sintomas e sugere tratamentos, mantendo a confidencialidade dos pacientes. Ele é uma peça chave neste novo cenário de atendimento, proporcionando diagnósticos baseados em vasto conhecimento médico e casos documentados ao redor do mundo.

Esta inovação segue na linha do que a telemedicina vem fazendo no Brasil, especialmente após a pandemia ter acelerado sua adoção. Os atendimentos remotos, que já mostraram um crescimento expressivo de 172%, de 11 milhões entre 2020 e 2022 para mais de 30 milhões apenas em 2023, exemplificam essa tendência. Clínicas privadas, como a Amparo Saúde, estão incorporando inteligência artificial para prever riscos de internação e até usando drones para transporte de materiais médicos, o que reduz custos e melhora a eficiência do atendimento. Apesar de regulamentada desde 2022 pelo Conselho Federal de Medicina, a telemedicina ainda enfrenta desafios, como a limitação de não poder realizar exames físicos completos.

Porém, para certas especialidades, como a ortopedia, já existem métodos eficazes que simulam partes do exame físico. Esse avanço na telemedicina representa uma verdadeira transformação na maneira como os cuidados médicos são oferecidos, tornando o acesso à saúde mais eficiente e acessível a todos no país.

https://lifestyle.uai.com.br/